Pouca Vogal - Gessinger + Leindecker

Photobucket





Isto é o que chamam de “release”
por Humberto Gessinger

Pouca Vogal é um duo que formei com Duca Leindecker. Venho dos Engenheiros do Hawaii, banda que montei em 1985 e com a qual, até 2008, lancei 18 discos e 5 DVDs.

Duca vem da banda Cidadão Quem, formada em 1990, com 7 discos e 1 DVD lançados. Também já lançou um disco solo, além de fazer trilhas para cinema e teatro.

Mais detalhes sobre nossas histórias podem ser encontrados nos sites Engenheiros do Hawaii e Ciadadão Quem. Vamos ao que interessa. Por onde começo? Não sei… Escrevendo release sou um fracasso. Vou tentar outra forma. Que tal eu me entrevistar?

Aí vai:

HG: Como vocês se encontraram?
AgAgê: É uma história antiga, da segunda metade do século passado. Ali por 85, eu encontrei na rua um moleque que tocava guitarra. Ele sabia que eu tinha comprado uma Fender Telecaster. Na época, não era fácil descolar instrumentos legais. O menino ficou de passar lá em casa pra conferir a guitarra. Fiquei chocado quando vi ele tocar. Tirou sons da minha guitarra que eu não imaginava que estivessem lá. Tocava demais! Técnica, estilo, emoção e o diabo a 4. Esse garoto era o Duca Leindecker.

Aperta a tecla FastForward… Em 2004, Duca me convidou para participar do CD/DVD Cidadão Quem No Theatro São Pedro. Tocamos Terra de Gigantes, uma canção que eu havia escrito e gravado com os EngHaw.

FF de novo. Em 2007, Duca me pediu uma música para o novo disco da Cidadão Quem. Havia uma da qual eu gostava muito e só não tinha gravado ainda por achar que altava alguma coisa. Passei para o Duca, que matou a charada escrevendo um novo refrão. A música é "A Força do Silêncio" e está no disco 7. Agora, com a coincidência da pausa de nossas bandas, partimos para o Pouca Vogal.

HG: Por que o nome Pouca Vogal?
AgAgê: É um chiste com nossos sobrenomes, Leindecker e Gessinger. Se quisermos fazer um pouco de sociologia de boteco, podemos falar de como as vogais vão rareando à medida em que descemos pelo mapa do Brasil. O frio vai aumentando, a vegetação fica mais tímida, o verde vai ficando mais parecido com o azul, as pessoas mais introspectivas. Imigrantes com suas consoantes. Ao mesmo tempo em que exageram, algo de verdadeiro guardam essas generalizações.

Pelo Aurélio, vogal é o fonema que se produz com o livre escapamento de ar pela boca. Consoante é o fonema que resulta do fechamento ou estreitamento de qualquer região acima da glote.

HG: Há outros músicos acompanhando vocês?
AgAgê: Não. Só nós 2. É um formato que sempre me fascinou. Seja um duo de violões clássicos como os irmãos Assad, uma dupla caipira como Pena Branca & Xavantinho, um lance pop como Simon & Garfunkel ou jazz como Larry Coryell & Philip Catherine, há algo especial quando duas pessoas estão tocando. Depois do solo, é o mínimo. Mas, nesse mínimo, pode rolar o máximo diálogo musical. Duca já fez trabalhos geniais em duos com Frank Solari e com Borghettinho.

HG: Quais instrumentos vocês usam?
AgAgê: Eu sigo nos instrumentos acústicos: violão, viola caipira, dobro, harmônicas, piano. Além da MIDI Pedalboard, que é um teclado que a gente toca com os pés. Duca toca guitarra, violões com afinações esquisitas e bombo legüero, um instrumento de percussão característico do pampa.

É bem intenso. Em momentos, eu toco violão, harmônica, faço baixos com os pés enquanto o Duca sola na guitarra e faz percussão. Tudo ao mesmo tempo. Geralmente, quando um artista chega à quilometragem em que chegamos, pensa em desfrutar do conforto de um repertório já conhecido e de vários bons músicos aparando arestas. Mas nós estamos vibrando em outras freqüências, definitivamente. Queremos sair da zona de conforto por achar que só tensa a corda vibra legal. A vida é mesmo muito curta pra ser pequena.

HG: Qual é o repertório?
AgAgê: A partir do dia 11 de setembro, 8 músicas inéditas estarão no site . O pessoal vai poder baixar, não vamos cobrar nada, é free. Não estamos interessados em transformar esta atitude em um “assunto”. Nosso interesse nos intestinos da indústria cultural é próximo de nenhum. Nos shows, vamos tocar, além destas, algumas músicas dos Engenheiros do Hawaii e da Cidadão Quem.

HG: Quais são e como surgiram as músicas novas?
AgAgê: TENTENTENDER: a idéia me veio num vôo enquanto eu observava a sombra do avião rastejando lá embaixo. Mandei uma demo para o Duca e ele reescreveu a melodia do refrão.

DEPOIS DA CURVA e BREVE: Duca me mandou as músicas e eu escrevi as letras. A primeira fala da esperança de encontrar coisas melhores depois da curva, depois da chuva. Talvez, o amanhã colorido. A segunda é sobre a dificuldade e necessidade de unir firmeza e delicadeza na hora de cair fora. Quando ser bravo é ser breve, hay que endurecer, pero sin perder la ternura.

VÔO DO BESOURO e ALÉM DA MÁSCARA: escrevi as duas sozinho, mas já com o duo no horizonte. Dizem que o besouro tem o design menos apropriado para voar. Esta e outras contradições sempre me interessaram. Para além da máscara é que devemos olhar. Além do que é sentido, além do que é sabido.

NA PAZ E NA PRESSÃO: Duca escreveu numa dessas horas em que a gente quer gritar ou sussurrar ¡Tchau Radar!

PRA QUEM GOSTA DE NÓS: um nó nos prende ou nos leva na velocidade de uma milha marítima por hora. Um nó amarra o laço ou o lenço. Eu já tinha escrito há mais tempo, mas só agora cheguei ao arranjo certo. Mistura de viola caipira e guitarra hendrixiana. Pra quem gosta do nó que nos une, Pouca Vogal será um prato cheio.

POUCA VOGAL: escrevi um pouco para explicar o conceito, um pouco para falar da minha ida ao Rio de Janeiro e da volta à PoA. De lambuja, cita Piano Bar (uma canção dos EngHaw) e homenageia Kleiton & Kledir, que melhor souberam, até hoje, misturar regionalismo gaucho e música pop.

HG: Que tipo de reação vocês esperam dos fãs das bandas Engenheiros do Hawaii e Cidadão Quem?
AgAgê: Acho que o maior sinal de respeito de um artista em relação ao seu público é não pensar nele na hora em que cria. Eu não quero que os artistas dos quais eu gosto pensem em mim quando criam. Não quero que os políticos nos quais eu voto façam pesquisas pra saber como quero que eles falem e atuem. Fica parecendo um cão perseguindo o próprio rabo. Quero que
eles tenham A Visão e corram o risco de encontrar ou não quem se interesse por ela.

Resumir todas as pessoas que gostam do teu trabalho num estereótipo de “fã” também me parece grosseiro. Cada fã é fã da sua forma, com suas particularidades. Cada um tem seu caminho, sua maneira de passear pela obra. Não gosto que me vejam como produto, por isso não penso neles como consumidores. Obviamente será maravilhoso se todos gostarem de tudo. Se os
teatros estiverem todos lotados e as bocas todas sorrindo e pedindo bis. Caso esse mundo ideal não se concretize, estaremos tranqüilos por estar seguindo nossa Visão.

HG: A banda Engenheiros do Hawaii acabou?
AgAgê: Não. Pretendo voltar quando o Duca encher o saco de mim.

HG: Cidadão Quem acabou?
AgAgê: Que eu saiba, não.

HG: Gostaria de dizer algo mais?
AgAgê: Não sei por que, gostaria de dar nossas datas e locais de nascimento. Humberto Gessinger: Porto Alegre, 18:30h do dia 24 de dezembro de 1963. Duca Leindecker: Porto Alegre, 10:30h do dia 5 de abril de 1970.

Contato:
press@openartprodutora.com
51.3346.8386


Ficha Técnica


Duca mixando Pouca Vogal e eu pensando… quem conhece o Morro Dois Irmãos, cartão postal carioca, talvez não conheça Dois Irmãos, uma das primeiras cidades da colonização alemã no RS. E vice-versa.

Terá alguém ouvido os dois irmãos cantando “deu pra ti, baixo astral” no mesmo táxi em que Julio Iglesias e Bob Marley me davam razão? Duvido.

Imagine Piano Bar, Chega de Saudade e Samba do Avião num táxi fazendo Rio-PoA. Ou vice-versa.

Devo ser mais direto? Melhor deixar quieto.

Duca mixando e eu pensando… será que eu deveria ter cantado “séra” em vez de “serra”? Deveria ter cantado “fale” em vez de “vale”? Exagerar o sotaque dos colonos italianos e alemães que ocupam estes espaços do RS? Ao vivo, talvez.

Se eu tivesse diploma, faria um glossário Pouca Vogal. Polka : swing esquisito. Oriundi : descendente de italianos. Alles Blau : tudo azul.

Micuim : aquele bichinho chato da grama. Pingüim no litoral : juro que vi, em pleno carnaval.

Bobagem. Diploma por diploma, melhor aprender a mexer no ProTools pra não deixar o Duca mixando sozinho.

Já mixou. Agora tá masterizando e eu vendo a água tomar a cor do chá. Vontade de comer um pão com ximía de morango. O Google não me ensinou a grafia certa, será schimier? Geléia é mais fácil. Ximía (ou schimiere) é mais divertido.

3:30. Madrugada em PoA. Tá pronto. Espero que gostem. Se gostarem, me escrevam dizendo. Se não gostarem, escrevam pro Duca.

Gravamos ao vivo no estúdio Submarino Amarelo. Duca Leindecker produziu. Os técnicos de som foram Fernando Peters e Leandro Schirmer. O projeto gráfico PV é de Melissa Mattos e Luis Saguar. Jota Meira fotografou no estúdio Estação Elétrica e fez o meio-de-campo digital. Kami nos ajudou com o equipamento e Cláudio Mattos foi o assessor para assuntos percussivos. Gláucio Ayala nos colocou na www.

Como talvez só em Porto Alegre aconteça, a temperatura nesses poucos dias variou entre 0 e 100 graus (não sejamos literais). No estúdio o clima esteve sempre bom (literalmente). Muito chá, pouca cafeína. O quadro acima talvez explique o que (e como) estamos tocando.

Abraços, HG




Então ai está o "CD":

(2008) Pouca Vogal













01 - O Vôo do Besouro
02 - Depois da Curva
03 - Além da Máscara
04 - Na Paz e na Pressão
05 - Pouca Vogal
06 - Pra Quem Gosta de Nós
07 - Tententender
08 - Breve




6 comentários:

Róbison Joel disse...

Cara!!!
Muito obrigado por disponibilizar essa raridade pra gente...
Valeu mesmo...
Eu até coloquei um banner do teu blog no meu...
Abraço!!!

rafael disse...

baita album,esperar o q de dois genios do rock gaucho

Andre disse...

Parabens pela postagem kra, show de bola mesmo. A banda tambem ficou muito boa, era de se esperar tambem neh dois icones da musica...
Abraço !!!

Anônimo disse...

Eu adorei ler esse blog! Entendi muito melhor como vocês pensam! Ontem, tive a honra de ir nun show de você na minha cidade, Cascavel-PR! Eu curto muito as músicas de vocês! E sabia que o show seria invesquecível, e que iria adorar, mas não imaginei que mexeria tanto comigo! Pois mexeu!
Sem contar na cordenação do Humberto para tocar vários instrumentos ao mesmo tempo, cantar e balançar o cabelo como no dvd do Acustico MTV!
E nos solos que o Duca faz, o cara toca muito!
Espero que um dia eu possa, assistir denovo um show de vocês!
Flávia Galbiatti, Cascavel-Paraná.

Anônimo disse...

TEM O DVD .ISO?

Demur disse...

É emocionante poder ser contemporâneo de vocês... Ir aos shows e ter o DVD pra deixar o dia mais inspirado... Saber que vocês depois de tanto tempo de carreira optaram por sair da zona de conforto e fazer esse malabarismo maravilhoso, só nos inspiram a melhorar e trabalhar nossos sonhos....

Abraço Fraterno!

Demur Moreira ( Goias ).

Postar um comentário

 
RamonR