Delicatessen

Photobucket

O projeto Delicatessen, um dos grandes sucessos do mercado do disco independente no ano de 2006 (cerca de 20.000 discos vendidos de Jazz + Bossa) realizou em novembro de 2006 a primeira tour de lançamento nas cidades de Porto Alegre (Theatro São Pedro), Buenos Aires (Notorious Bar), Florianópolis (Jinga Bar), Rio de Janeiro (Mistura Fina) e São Paulo (Bourbon Street Music Club), com grande sucesso de público e crítica. O grupo foi destaque nos jornais Folha de São Paulo, Diário Catarinense, Zero Hora e La Nación, sendo recomendado em revistas como Veja, TAM e Exame, e participou do Programa do Jô, em dezembro daquele ano, além de receber críticas favoráveis de importantes nomes do jornalismo brasileiro, como Roberto Muggiati e Nelson Motta.

No ano de 2007, o grupo realizou uma série de shows em cidades como Curitiba, São Paulo e Porto Alegre, além de uma série de apresentações fechadas para empresas. Seu primeiro disco foi lançado no Japão pelo selo Rip Curl Recordings e, no mesmo país, as músicas "Do It Again" e "Angel Eyes" foram lançadas na coletânea Idee Ensemble nº 1, da famosa cadeia de lojas de móveis japonesas Idee. Na Itália, a música "Black Coffee" está na coletânea Chill Out 3, lançada pelo Gruppo Editoriale L’Espresso, um dos mais importantes daquele país.

O Delicatessen nasceu da vontade que o publicitário e aficionado por música Beto Callage tinha de produzir um disco que combinasse o estilo cool e intimista das cantoras de jazz dos anos 50 com a simplicidade refinada da bossa nova. O encontro com o violonista Carlos Badia foi o primeiro passo, seguido da descoberta de Ana Kruger, uma cantora que, até então, cantava jingles e covers de pop rock. Para Beto, Ana reúne “delicadeza, timbre, doçura, timing, e uma persona pronta para cantar jazz, mesmo sem nunca ter cantado”. Primeiro com Edu Martins e depois com o consagrado Nico Bueno (baixo) e Mano Gomes (bateria) completaram o quarteto.

Delicatessen surgia, somando a experiência de três excelentes músicos e uma cantora de grande potencial. A partir daí, decidiram tudo o que queriam e o que não queriam e o resultado surgiu: um trabalho sem afetações, sem pretensão, sem virtuosismo, leve, radicalmente simples e delicado. Segundo Badia: “a simplicidade refinada que buscamos desde o início vingou em um trabalho consistente” .

O pesquisador Carlos Moura resume de outra maneira: “Nas minhas andanças em busca da depuração da era mais cool do jazz, vejam só, descubro que instrumentistas e uma cantora (e que cantora!) gaúchos retomaram os trilhos finos do som west coast, banhando-o com a batida brasileira da bossa nova, hoje universal. Parece fácil. Não é!” Entusiasmado, o pesquisador traça um paralelo entre a jovem cantora e grandes divas da canção americana: ”Ana retoma doçuras & malícias daquela era: o mel de Beverly Kenney, a manha de Anita O’Day, o dengo de Lucy Ann Polk, o rouquinho de Doris Day. Transporta tudo, com elegância e leveza, para o doce balanço da bossa nova, a filha mais dileta do jazz”.

Nos shows, que contam com a participação especial de New (piano), o quarteto recria doze standards do jazz de nomes como Duke Ellington, Burke & Webster, George & Ira Gershwin e Ray Noble, entre outros. Clássicos como "Angel Eyes", "In A Mellow Tone", "Black Coffe", "In A Sentimental Mood", "The Very Thought Of You", "Do It Again" e "The Touch Of Your Lips", além de duas composições de Carlos Badia e Beto Callage, "Todos Os Dias" e "Setembro", únicas cantadas em português. O grupo mostra também novos arranjos para 04 standards da música americana, que vêm se somar ao repertório que tem feito tanto sucesso.

Depois do grande sucesso do primeiro CD, Jazz + Bossa, que levou o grupo a vender mais de 20 mil discos no Brasil e no Japão e fazer inúmeros shows de Belém a Porto Alegre, sempre com ótimas críticas, o grupo volta com o segundo é ainda melhor CD My Baby Just Cares For Me, em que mantém o seu estilo intimista e refinado, buscando sua inspiração na fonte das canções americanas e recriando os standards do jazz com a delicadeza e a simplicidade da bossa nova.

Fugindo das obviedades, o repertório do novo CD inclui canções menos conhecidas e menos gravadas, como "My Melancholy Baby", composta em 1911, "Be Carefull It`s My Heart" e "Why Don`t You Do Right", combina clássicos como "You`ve changed", "My Foolish Heart" e "My Baby Just Care For Me", lança novidades como "Mickey", da jovem cantora de jazz canadense Diane Nalini e, como no primeiro CD, apresenta mais duas composições dos produtores do grupo, Beto Callage e Carlos Badia, as canções "Amores Musicais" e "Delicatessen".

Este novo trabalho do grupo teve lançamento simultâneo no Japão (também pela Gravadora Rip Curl Records) e com um bônus exclusivo para o mercado japonês: a faixa "Única Canção" composta por Callage e Badia.

DISCOGRAFIA

Jazz + Bossa (2006)
My Baby Just Cares For Me (2008)


CONTATOS

www.brancoproducoes.com
branco@brancoproducoes.com e
eduardoelias@brancoproducoes.com
(51) 3231.4142


Os cd's para download:

Jazz + Bossa (2006)













01 - Angel Eyes
02 - In a mellow tone
03 - Black coffe
04 - In a sentimental mood
05 - You're getting to be a habit with me
06 - The very thought of you
07 - Do it again
08 - I fall in love too eaily
09 - I love the way you're breaking my heart
10 - That's all
11 - The touch of your lips
12 - I'm through with love
13 - Todos os dias
14 - Setembro





My Baby Just Cares For Me (2008)













01 - Don't Be That Way
02 - Mickey
03 - He's Funny That Way
04 - My Melancholy Baby
05 - Be Careful, It's My Heart
06 - My Baby Just Cares For Me
07 - You've Changed
08 - Why Don't You Do Right
09 - How Long Has This Been Going On
10 - My Foolish Heart
11 - Delicatessen
12 - Amores Musicais




0 comentários:

Postar um comentário

 
RamonR