Selton - A Invasão Italiana




A carreira da banda Selton, formada por quatro gaúchos, já começou internacional. Criada a partir de um encontro de amigos na Espanha, a Selton se projetou na Itália e agora quer conquistar o público daqui.

Com quatro shows marcados no Brasil, a banda faz sua primeira turnê no país com o disco “Selton”, segundo da carreira, primeiro com canções próprias (e em italiano), lançado em outubro de 2010.

A história da banda começa em 2006, quando os amigos Ramiro Levy e Eduardo Stein combinaram um encontro com os ex-colegas de colégio Ricardo Fishman e Daniel Plentz em Barcelona. Todos estavam passando um período na Europa e decidiram se reunir. Formado em Publicidade, Daniel estudava música em Barcelona. Ao rever os amigos, surgiu a ideia de tocar músicas dos Beatles no Parque Güell, um dos principais pontos turísticos da cidade, para juntar dinheiro.


“Em vez de trabalhar como garçom, decidimos tocar na rua. Em Barcelona tem muito disso, muitos músicos de rua. A ideia era essa, ensaiar ao ar livre e ver no que dá”, contou Ramiro, voz e guitarra da Selton.
A proposta agradou os frequentadores do parque e, em um mês, os amigos gravaram um CD com músicas dos Beatles para vender durante as apresentações. Por dois anos, eles ficaram em Barcelona levando a vida com a música na rua. “Todo dia a gente conhecia gente nova. Mas era isso, nunca tinha pensado em virar uma banda de verdade”, disse o músico.

Da rua para o estúdio
Quem deu o empurrão para que o trabalho temporário dos quatro jovens se tornasse uma carreira musical foi um produtor da MTV italiana. Em visita à Espanha, a equipe gravou dois programas com os cantores de Beatles e os convidou para ir a Milão. “Por um ano, ficamos na ponte aérea. Começamos a escutar a música de lá e acabamos gravando o primeiro disco, de músicas italianas dos anos 60 traduzidas para português”, lembra Ramiro, que mantém o sotaque gaúcho carregado.



A inspiração veio do compositor Enzo Jannacci, que fez sucesso nos anos 60 criando música com uma dupla de comediantes. Com o lançamento do disco “Banana à Milanesa” (Barlumen Records), em 2008, caiu a ficha. “Ali, virou uma banda”, diz Ramiro.



A união inusitada de uma banda brasileira cantando músicas antigas em versão rock e em português conquistou o público italiano. No começo, conta o vocalista, o interesse surgiu entre a geração que conhecia o trabalho de Jannacci. Depois, a irreverência atraiu os jovens da Itália.

“Isso foi curioso, deu muito o que falar. Uma banda brasileira gravando músicas que gente de lá não conhecia. Mas o público sempre foi muito receptivo”, relata. O disco recebeu 4 estrelas da revista "Rolling Stone" italiana e foi eleito um dos 5 melhores de 2008 pela revista italiana "Internazionale".

37 shows em dois meses



Depois de ganhar jornais e revistas italianos, o quarteto resolveu apostar e dar um novo passo na carreira. Lançado em outubro de 2010, “Selton” é o primeiro trabalho com composições próprias dos músicos, escritas originalmente em português e inglês e traduzidas para o italiano. O grande desafio do trabalho, na opinião do músico, foi conseguir expressar em italiano o sentimento das músicas compostas em outras línguas. “Fizemos o caminho inverso. Foi o primeiro disco com a nossa cara e a experiência foi incrível. Em dois meses, fizemos 37 shows na Itália”, comemora Ramiro.



Após a maratona italiana, a agenda da Selton seguiu movimentada. No Brasil, passaram por Caxias do Sul, Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro. Foi a primeira vez que a banda se apresenta fora da capital gaúcha, onde fez poucos shows para plateias mais restritas. “É sempre muito legal [tocar no Brasil] e a gente está feliz da vida em poder levar o show para mais cidades”. Também estão no calendário da Selton duas apresentações na Bélgica e outras em Portugal.

Em negociação, shows na Inglaterra e na Alemanha.


 Enquanto celebra a divulgação do primeiro disco 100% próprio, o quarteto já começa a pensar nos próximos passos: “Se tiver a oportunidade de trabalhar mais no Brasil, a gente adoraria. Estamos caminhando para um projeto multilíngue. Como estão começando a surgir essas novas portas, não deve ser só em italiano”.



Uma prévia disso estará à venda nos shows da banda no Brasil: um EP com 7 músicas, com faixas em italiano, inglês e português. “O EP é um reflexo do show”, diz Ramiro. Um reflexo de toda a trajetória da banda, na verdade.

Em 2010, o grupo lançou seu segundo CD, que leva o nome da banda. O disco foi produzido por Tommaso Colliva (Muse, Franz Ferdinand) e Massimo Martellotta (Stewart Coperland, Calibre 35) e, em menos de dois meses, chegou a render mais de 35 shows pela Itália e reportagens em revistas e programas de TV da Europa.

A Selton é:

Ricardo Fischmann: voz, guitarra
Ramiro Levy: voz, guitarra
Daniel Plentz: bateria, vocais
Eduardo Stein Dechtiar: baixo, vocais


(2008) Banana à Milanesa
01 - Malpensa
02 - É a Vida
03 - Vengo Anch'io No Tu No
04 - Pedro Pedreiro
05 - La Gallina
06 - Banana à Milanesa
07 - Madonina
08 - Eu Vi um Rei
09 - João Telegrafista
10 - Canção Inteligente
11 - La Quiniela
12 - Silvano
13 - La Cosa Rosa

Produzido por Gaetano Cappa
Management: Marco Drago
Gravando por Guido Bertolotti no Istituto Barlumen Studio, Milão
Mixagem: Paolo Iafelice  no Adesiva Discografica Recording Studio, Milão
Masterzação: Cludio Giussani no Nautilus, Milão
Arte: Pietro Malacarne e Edoardo Nardella

Barlumen Records 2008






(2010) Selton















01 - Passero
02 - Anima Leggera
03 - Be Water
04 - Testa Quadrata
05 - Io Voglio Cambiare
06 - Nuoto, Nuoto E Niente Piu'
07 - Per Favore Dica Il Suo Nome
08 - Tutto In Una Notte
09 - Non Lo So
10 - Astronauta Netturbino
11 - Il Segreto Di Pedro
12 - Tudo Azul
13 - Io Vorrei










1 comentários:

Jorge disse...

I just know about this band... Amazing! Thanks for your post. The second album has no download link. Thanks again and greetings from Tijuana, Mexico.

Postar um comentário

 
RamonR