Trem 27

Photobucket



Quem já assistiu a qualquer filme caipira americano, sabe que o country é sua trilha sonora. Mas esse country tem um nome: bluegrass. Sim, a música feita de banjos, violões, violinos e harmônicas.

Em Porto Alegre, seis músicos com gostos nem sempre comuns se juntaram para dar vida a sons caipira norte-americano. O Trem 27 contou com Marcio Petracco, ex-TNT e Cowboys Espirituais, atualmente com a Locomotores (violão, dobro e pedal steel guitar), Diego Garcia (vocal), Heine Wentz (violino), Renato Velho (banjo e serrote), Dennis Vanzetto (contrabaixo acústico), Leandro Roslaniec (bandolim), e Alex Rossi (gaita).

A banda, reuniu-se pela 1ª vez em setembro de 2002, com sua orientação musical voltada ao bluegrass, música caipira norte-americana popularizada nas décadas de 40 e 50, mas que tem suas raízes na música irlandesa trazida pelos imigrantes no fim do século XIX. O Trem 27 apresenta a formação típica de uma banda de bluegrass, que é composta somente de instrumentos acústicos e canta em arranjos para três ou quatro vozes.

Com a 1ª formação gravou o CD demo Way Down South em dezembro de 2002, contendo nove músicas, entre elas alguns temas de filmes, temas tradicionais e standars de nomes famosos do estilo, como Earl Scruggs e Nashville Bluegrass Band. A independência da banda é total, eles não têm gravadora e vendem seus discos "na mão cantor". Enquanto os integrantes do grupo tocam banjo, bandolim e gaita-de-boca, o vocalista circula entre a platéia, que além de comprar o CD também faz contribuições voluntárias. Foi assim que a demo chegou às 2,5 mil cópias. DOWNLOAD

"O primeiro CD foi gravado em um estúdio improvisado no meu apartamento, a gente tinha que enrolar lenços e camisetas nos microfones para o som não ficar vazando", conta Renato Velho, o tocador de banjo fundador do Trem 27.

Depois da bem sucedida demo, a banda registra definitivamente seu som. Para quem não gosta de bluegrass, passe longe. O disco não é acessível e certamente não agradará a plantonistas de FM's. Quem curte bons músicos e algo diferente, é uma boa pedida. Ao vivo os caras tocavam em volta de um só microfone!

Em 2003, sai Bluegrass 4 Breakfast, produção e distribuição independente, com participações especiais de Alex Rossi e Diego Silveira. O impressionante é que a banda não possui baterista, sendo tudo guiado pelo bom senso. Há espaço para instrumentos fora do padrão, como o serrote em "In The Pines", a tábua de lavar (que garante uma percussão em "Down Yonder" e "Salty Dog") e a pedal steel (a popular guitarra havaiana) em "Danny Boy". DOWNLOAD


O disco apresenta boas harmonizações vocais, conduzidas por Petracco. A maioria das canções são ótimos instrumentais, como "Orange Blossom Special" e "Foggy Mountain Breakdown".

A proposta musical da banda levou alegria para o grande público aos domingos no Brique da Redenção de POA desde abril de 2003 e fez sua primeira apresentação no foyer do Theatro São Pedro, Projeto Blue Jazz dia 1º de agosto de 2003, quando foram apresentadas músicas do CD demo.

O 27 do nome vem da soma de cordas dos instrumentos usados pelo grupo, que tem a formação típica do estilo bluegrass. Eles não gostam muito de tocar em bares, preferem os parques, praças, vãos livres e esquinas movimentadas. Tem sido assim desde 2002. A banda faturou o Prêmio Açorianos de melhor banda pop/rock.

O Trem 27 vendeu cerca de 10 mil CDs sem nunca ter entrado na programação das rádios. Podiam ser ouvidos nos principais palcos públicos de Porto Alegre, onde a platéia não pagava ingresso, mas comprava CD's.

A última formação do Trem 27, trazia Renato Velho no banjo de cinco cordas; Leandro Roslaniec no bandolim, Márcio Petracco no violão, guitarra havaiana e pedalsteel, Heine Wentz no violino, Dennis Vanzetto no contra-baixo e Diego Garcia vocal e washboard.

Por incrível que pareça, a banda desintegrou-se por ficar sem oportunidade de trabalho, devido a proibição absurda da prefeitura de Porto Alegre que alegou "comércio ilegal" para impedir os show’s gratuitos na Praça da Alfândega, Mercado Público e Brick da Redenção. Sob alegação de venderem cd’s de sua própria banda, gerados de recursos próprios e legais, um trabalho honesto e independente, provindos dos componentes da Banda, e para apenas repassar os custos dessa produção, sem fins lucrativos, com o objetivo somente de divulgação da Banda, foram "banidos" desses locais, por agentes municipais, sob pena de multas, e até prisão no caso de reincidência da violação desse "comércio ilegal".



Discografia
• Way Down South (2002)
• Bluegrass 4 Breakfast (2003)



>>> Compilação de artigos retirados da net por RR.

18 comentários:

Luis NTB disse...

eitaaaaa....
Melhor lançamento do Durango...
Adorava ver esses caras tocando...
Grande Ramon...

Leandro Melo disse...

Cacete!!!!
Valeu mesmo por esse post!!!!
Essa banda é foda pra carai!!
Eu tinha ouvido uma música deles há um tempo atras, e sempre quis ter o cd deles mas nunca encontrava em lugar nenhum! VALEU!!
Vou espalhar pros meus amigos esse blog! Certeza!!
Abraços!

Anônimo disse...

É foda saber que uma banda excelente como esta tenha se desintegrado por problemas burocráticos.
ABSURDO!

Eu vi estes caras tocando ao vivo no centro de Porto Alegre e sem dúvida é uma grande perda pra nossa cultura uma banda dessas ser simplesmente banida das ruas.
Os caras são ótimos!

Flávio

Léo disse...

Eu, realmente, desconhecia o motivo pelo qual eles tinham parado de tocar...

é ABSURDO.. RIDÍCULO.. IMBECÍL ou qualquer outro "apelido" pejorativo às péssimas pessoas que dizem governar essa porra.

Tive a oportunidade de ver os caras tocando 2 vezes na Redenção.. e posso afirmar, TODOS (ou grande parte das pessoas que por eles passavam - pra ser mais racional) ficavam a admirar aquele trabalho. É UMA GRANDE PERDA, por conta dessas buricracias burras.

Sigamos em frente..

VIVA A CULTURA... por mais difícil que seja leva-la aos outros.

Ass. Aprato

brazilgrass disse...

Legal, Ramon!
Tenho recomendado o blog pras pessoas que me procuram perguntando por Cd do Trem 27.
Alguns esclarecimentos;
1)Quem incomodou a banda foi a SMAM, alegando que não pode som no parque, a mesma que permitiu o funcionamento do tal Café do Lago ao lado dos macacos do mini-zôo. (Vide fatos recentes noticiados na imprensa) Cheira mal, isso, não?
2)O Trem vendeu 30 mil cópias dos CDs e não 10 mil.
3)A diferença básica entre country e Bluegrass é que Bluegrass é puramente acustico e sem bateria ou piano.
4)A banda gostaria, sim de tocar em bares e afins, só que fica dificil esse som na noite no meio da playboyzada, saca?
5)Os panos na gravação eram enrolados nas cabeças da galera pra que o som do fone não vazasse nos microfones.
6)O Trem 27 foi o único disco/grupo a fazer um trabalho verdadeiramente acustico (nada plugado) de que eu tive noticia na minha longa estrada musical.
Tem comunidade do Trem 27 no orkut e um clip no youtube, é só buscar e juntar-se a causa, por favor...
Estamos nos reunindo aqui em casa amanhã pra decidir o destino do equipamento, existe chance de uma reunião da banda, vamos ver.
Vamos falando, abraço!
Marcio Petracco.

RamonRamyres disse...

Valeu mestre...

Muito bom ter o "respaldo" do músico, agradeço pelos esclarecimentos.

E fico maravilhado com tua divulgação, um grande abraço.

Rabelão disse...

Tchê, muito show teu blog. Há horas que eu tava procurando um blog de rock gaúcho. Trem 27 é demais!!!Abração!!!

RamonRamyres disse...

Valeu Rabelão...

Continue acompanhando.

Abraço

Mai disse...

Eu sei que faz muito tempo que isso foi postado, mas...

Eu adorava a Banda, vivia na Redenção todo fim de semana pra assistir o Trem, e até comprei o Bluegrass 4 Breakfast na mão deles... Mas eu perdi o CD nas minhas mudanças pela vida.

Não tem nenhuma maneira de disponibilizar os cds pra download de novo? Eu morro de saudades deles e da Redenção...

RamonRamyres disse...

link repostados.....

Mai disse...

Po, brigadão, cara! Tou ouvindo agora, morrendo de saudades de quando eu ia na redenção só pra ouvir os caras.

Obrigada mesmo, vc fez uma pessoa muito feliz hoje! :D

Anônimo disse...

Adorava assistir esses caras na redença, e me perguntava sempre por onde andavam, muito bom esclarecimento pelo blog.... espero que a banda volte a tocar!!

Mauricio

RamonRamyres disse...

Eu também espero,mas acho que não rolará mais....
Uma pena...
Abraço

Daniel B. L disse...

Puxa vida, que pena. Resolvi procurar informações sobre a banda no google e encontrei este post. Tinha esperança que eles ainda estivessem na ativa. Infelizmente, é um grande talento de uma grande banda que se acabou por falta de oportunidades e pelo impedimento da prefeitura. Caso algum dos ex-integrantes da banda leia este post, peço para eles que tentem voltar a tocar em bares de porto alegre.
Abraço

Ivens disse...

Os links por favor!

Ivens disse...

Achei os links... hehehe O pateta aqui tinha passado batido!

ANGELO TIAGO disse...

acabei de conhecer! blue grass é uma novidade em minha vida!hehehehehehehehehe!mas eses caras deveriam voltar! e nao ficar só em porto alegre! tem o interior do estado!a colonada daqui ia gostar!meus pais ouviram e tb gostaram!esses caras tem o poder de unir familias!isso numca tinha acontecido aqui em casa!

Eduardo Baianinho disse...

por favor, te imploro, upa novamente estes discos do trem 27, preciso passar os sons para uns brothers que não conhecem e tão afim de montar um projeto de música na rua, abraço

Postar um comentário

 
RamonR